FAEP reúne hortifruticultores

Produtores de diversas regiões do Estado, representantes de empresas e profissionais ligados à área participaram nesta quinta-feira (16) da Reunião da Comissão Técnica de Hortifruticultura da FAEP, realizada em Curitiba.

Ao longo da manhã, diversos temas de interesse dos hortifruticultores foram debatidos. Após abertura do presidente da comissão, Marco Antônio Machado, o engenheiro- agrônomo do SENAR-PR, Leandro Alegransi, apresentou aos presentes o novo programa de treinamento na aplicação de agrotóxicos do SENAR-PR, que foram adaptados de forma a atender à nova regulamentação da atividade.

A engenheira-agrônoma do Departamento Técnico Econômico (DTE) da FAEP, Elisangeles Souza, apresentou a situação atual dos “Minor Crops”, culturas de menor dimensão econômica que não possuem defensivos químicos específicos. De acordo com ela, a FAEP está atuando ativamente para que os produtos de interesse dos produtores paranaenses sejam registrados nacionalmente cadastrados no Estado.

Na sequência, o fiscal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Luiz Pasqualin, discorreu sobre a importância do receituário agronômico para o produtor.

Dentre os temas debatidos, a questão que mais despertou o interesse e a participação dos produtores foi a rotulagem de frutas e hortaliças no Estado, apresentada pelo engenheiro agrônomo da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa), Marcos Andersen.

Em dezembro de 2014, a Sesa publicou a resolução Nº748/14 que determina a rotulagem de produtos hortícolas vendidos in natura e a granel. Com isso, todo produtor, atacadista e varejista deverá identificar seus produtos a venda no Paraná. Inicialmente 10 produtos deverão conter os rótulos: banana, cebola, cenoura, couve-flor, laranja, maçã, morango, repolho, tomate e uva. A obrigatoriedade da rotulagem deste grupo passa a valer a partir de julho de 2015. Em dezembro outro grupo de 11 produtos deverá ser rotulado e a partir de julho de 2016 os produtos restantes.

A fiscalização desta medida ficará a cargo das secretarias municipais de Saúde, através de suas vigilâncias sanitárias. A Sesa, em conjunto com a FAEP estão trabalhando na produção de uma cartilha para tirar possíveis dúvidas dos produtores quanto à nova regulamentação.